segunda-feira, 21 de julho de 2008

O Kaiser, D. Carlos I e os socialistas




A propósito do post no Combustões Kaisermania, seria muito interessante conhecermos as famosas cartas trocadas antes e depois do Regicídio, entre o Paço das Necessidades e o Partido Socialista de Azedo Gneco Após o 5 de Outubro, foram utilizadas pelos novos ditadores do regime, para a liquidação das veleidades do PS em ir caminhando em direcção á participação no poder. Parece que esses contactos visavam o reordenamento do espectro partidário constitucional, criando verdadeiras alternativas e assim, teríamos no futuro, os Regeneradores-Liberais e os Socialistas. O prp dinamitou a possibilidade. Conhecemos o resultado: violenta repressão sindical, esmagamento do "populacho" nos cadernos eleitorais, liquidação da imprensa independente, coacção física e moral da oposição. O socialismo português - que nada tem em comum com aquilo que hoje vemos - ficou para sempre remetido à simples recordação de uma hipótese perdida. Na Alemanha, o SPD conseguiu mais, muito mais, assim como na generalidade dos países do norte da Europa. Aqui, contentámos-nos com as cartolas e os fraques do Costa e do Bernardino.

 

*Na imagem, o Kaiser  Wilhelm II com D. Carlos I e a rainha D. Amélia (Lisboa, Março de 1905)


12 comentários:

joshua disse...

Mais uma vez, se a realidade resiste ao Modelo há que violentar a realidade e aí nada como o Socialismo que por aí se arvora.

É preciso ousar uma maior divulgação de o Centenário da República.

PALAVROSSAVRVS REX

Luís Aguiar Santos disse...

O problema do socialismo português foi a importância descabida da "questão religiosa" em face da "questão social". O anticlericalismo foi a verdadeira ideologia radical e de protesto no início do nosso século XX e permitiu aos republicanos gerirem as contradições e a inconsequência do seu "programa". Também é verdade que o atraso da nossa industrialização não permitia que houvesse uma grande base de apoio para o PS da época porque só o operariado poderia rever-se mais num partido desse tipo (os "proletários" do comércio e dos serviços preferiam um radicalismo do género do republicano ou o anarquismo).

Anónimo disse...

Desculpem a minha ignorancia, mas na fotografia parece-me ser o João Franco e não o Kaiser, que aliás quando visitou Portugal tinha farta cabeleira branca.
Estarei engndo? é posivel.

Anónimo disse...

Desculpem a minha ignorancia, mas na fotografia parece-me ser o João Franco e não o Kaiser, que aliás quando visitou Portugal tinha farta cabeleira branca.
Estarei enganado? é posivel.

José Carlos Pereira disse...

D. Carlos foi o autor do próprio regicídio. Enquanto o povo, analfabeto, passava fome e privações, o Rei entulhava-se de comida e de mulheres, concubinas do reino. Era mais um pobre Mugabe ou uma Fátima Felgueiras.

space_aye disse...

Mas os monáricos agora são socialistas???
Essa é boa!

Rosa Brava disse...

Conhecer os factos fa História... é essencial... isto no meu entender.
Grata pela partilha

Nuno Castelo-Branco disse...

Não "os monárquicos" não são socialistas... Apenas há socialistas em todos os partidos
Quanto ao senhor das concubinas e comezainas, enfim, olhe para o que hoje se passa e não diga asneiras. D. Carlos foi muito mais que isso, ao contrário de certa gente que manda e (ainda) consome à conta do contribuinte. Leia qualquer coisa, um livro da 4ª classe, por exemplo...

Nuno Castelo-Branco disse...

Quanto à questão levantada pelo anónimo de 25 de Julho: é mesmo o kaiser Guilherme, não duvide.

Nuno Castelo-Branco disse...

E já agora...
O kaiser está uniformizado com a farda da unidade de que era comandante honorário e que hoje tem sede na Base de Tancos (creio eu).

Ruca disse...

Há 100 anos atrás o Partido Socialista de que os actuais socialistas se dizem herdeiros era anti-republicano :))
Quanto a D.Carlos eu costumo dizer que o problema é que hoje temos uma republica com a diferença : o nº de cães a comer da mesma tigela ( Estado ) são muitos mais.

Miguel disse...

Viva o Kaiser e o seu Reich e todo o que dele veio!