domingo, 28 de junho de 2009

A bandeira da ignorância e do fanatismo.

"Tomemos um outro exemplo, não mediterrânico, mas pertencente, também a ele, à Europa Meridional, o de Portugal. Até 1910 as armas e a bandeira articulam-se, também aqui, à volta do azul e do branco, cores heráldicas dos reis de Portugal desde o século XII. Sobrevém a Revolução, e põe-se a questão da bandeira do regime republicano. Que cores escolher? O azul e o branco, que fariam recordar excessivamente a monarquia derrubada, são excluídos. Ao amarelo acontece o mesmo, pois evoca de maneira excessivamente o poderoso e temido inimigo espanhol. Restam portanto o verde, o vermelho e o preto. Em 1911, em circunstâncias mal elucidadas, e por motivos que ainda se discutem, a jovem república portuguesa adopta uma bandeira verde e vermelha, divida a meio. Essa é, ainda hoje, a bandeira de Portugal, e é uma das raras bandeiras europeias que infringe a regra das cores heráldicas: o verde (sinople) e o vermelho (goles) tocam-se, o que é estritamente contrário aos princípios da heráldica (de resto, a escolha do preto, justaposto ao verde ou ao vermelho, não teria laterado nada no que diz respeito à transgressão desses princípios). Depois da adopção desta bandeira, de algum modo por dedução, pois escolheram-se as cores "que restavam", foram avançadas diferentes explicações de ordem histórica ou simbólica, para justificar a escolha destas cores. O verde, cor da Marinha portuguesa, sublinharia o papel desta no derrube do Antigo Regime. (Avançou-se mesmo que a nova bandeira retomava totalmente o pavilhão verde e vermelho, dividido a meio, do navio Adamastor, que tinha tido um papel decisivo no sinal de partida da Revolução.) Ou então, o verde seria a cor da Liberdade e o vermelho proclamaria a maneira como ela tinha sido conquistada: pelo sangue. Banal simbólica de cores, solicitada fora de tempo e que evidentemente nada explica. (...)
[verbete "BANDEIRA"]. PASTOREAU, Michel - Dicionário das cores do nosso tempo: simbólica e sociedade. Lisboa: editorial Estampa, 1997, pp. 34-35


Numa análise sucinta, mas extremamente bem documentada, o medievalista e especialista em simbologia Michel Pastoreau, caracteriza a bandeira forjada na revolução portuguesa de 1910 «à pressa e na confusão» (p. 35). Ela é, sem dúvida, um dos grandes exemplos de como os republicanos temiam a força histórica presente do simbolismo das instituições monárquicas. Não bastava arrancar do pano a coroa, havia que tingi-lo com outras cores. Os tons escolhidos evidenciam o pânico e acrescentam-lhe violência, conflito e agressividade. Vermelho de sangue (sangue do antes e do devir, sangue do regicídio, de La Lys, da noite sangrenta) que empurra um verde cínico, seiva nova da nova aristocracia: os políticos de carreira, ociosos comendadores e ditadores de oportunidade. A República não desejava apenas um novo regime. Queria um novo país e a bandeira positivista, assimilada graças ao futebol (que é, como sabemos, a melhor maneira de electrizar as massas), auxiliou essa refundação.

5 comentários:

Daniel Nunes Mateus disse...

A explicação é ainda mais simples: A bandeira Portuguesa é a bandeira da carbonária antes de 1910

JSM disse...

Muito interessante a questão simbólica - o que significa a bandeira republicana?! - Nada.
E como poderia significar alguma coisa se as cores adoptadas nada têm a ver com as cores de Portugal!
Em suma, e porque tudo tem um significado, a bandeira verde e encarnada é o símbolo do anti-Portugal.

Nuno Castelo-Branco disse...

Pois é, mas agora tentar convencer milhões que desconhecem por completo a história, será tarefa bem difícil. Até já vi livrinhos, onde cavaleiros medievais portugueses lutam sob a bandeira actual!

Rui Monteiro disse...

Meus caros

Tudo se deve à estratégia de Salazar, basta ler o livro "Salazar e o Rei(que não foi)" do professor Dr.Fernando Amaro Monteiro para se perceber como se enganou uma fracção do Povo português durante tanto tempo.

藤原 ミゲル disse...

A actual bandeira é uma bandeira com as cores dos países de 3.º mundo, para o qual a República nos leva.