terça-feira, 12 de outubro de 2010

Agradecidos pela deferência



Pela net fora, circula uma imagem que pretende fazer humor às custas da mais antiga organização política portuguesa, a Causa Real (Monárquica) que como todos sabem, fará 100 anos em 2015. Talvez tivessem pretendido chamar-nos de "azeiteiros" ou pior ainda, uma gente do passado, agarrada a coisas vetustas e sem mais valia.

Pois fizeram-nos um grande favor. O país letrado ou não, sabe instintivamente que a melhor garantia do porvir, será a apresentação ao mundo, daquilo que de melhor Portugal pode e sabe fazer. A produção tradicional - azeite, frutos secos e outros produtos agrícolas incluindo o vinho, excelentes conservas, doçaria regional, têxteis de elevada qualidade, etc - sempre bem vendida e consumida dentro e fora de portas, consiste naqueles bens de "valor acrescentado" que o amnésico residente de Belém desprezou na sua áurea época de mundos e fundos comunitários. Aí está, talvez pela graciosa mãozinha de um republicano, a reposição da verdade. Uma foto bem feita, com uma bela embalagem que exalta o melhor de Portugal. Um produto tradicional de excepção e de consumo quotidiano, amigo da saúde e do ambiente, consiste num precioso estímulo à ocupação do território que as pré-sucatas VW, as torres de escritórios e as negociatas bolsistas pretendem esvaziar. Para cúmulo, o chalaceiro ainda colocou as armas nacionais que adoptaremos quando a Monarquia for instaurada. Nada havendo para restaurar, será esta esfera armilar convenientemente adornada, a mostrar a capa dos passaportes de todos os portugueses. De todos.

* Apenas uma nota: agradecíamos que substituísse "oliva", por oliveira.

2 comentários:

Rui Monteiro disse...

Nuno, é residual pelo menos não encontrei um único site português com tal coisa, encontrei sim 3 brasileiros.

João Afonso Machado disse...

Meus amigos: é brasileiro.
Aguardemos o restante da investigação. Há possibilidades de conhcer mais e melhor