sexta-feira, 3 de julho de 2009

Aliança Luso-Britânica o que temos lucrado?

Esta reflexão exprime unicamente o meu ponto de vista pessoal, sobre a mais antiga aliança do mundo ainda em vigor.
Quando somos aliados de alguém, tal pressupõe uma série de vantagens, obrigações e deveres de entreajuda e respeito mutuo. Isso tem acontecido desde que ela foi assinada em 1373? A meu ver, a aliança tem beneficiado mais os ingleses em detrimento dos Portugueses. Até atrevo-me a dizer, que a Inglaterra só invocou a aliança, sempre, para a satisfação dos seus próprios interesses. E quando não lhe convinha, traia-nos descaradamente. Ou não foi isso que aconteceu no ultimato inglês?
Hoje pergunto-me o que ganhamos em aliar-nos a um povo tão mesquinho, falso e interesseiro como são os Bretões? Para além do escárnio, poucas vantagens. Não nos esqueçamos que nos sujeitámos a ser invadidos pelos franceses por causa dos ingleses, participamos na 1ªGuerra Mundial, porque os ingleses permitiram, saímos a perder do tratado de Methuen, sem falar de outros factos históricos em que a aliança nunca nos beneficiou em nada, actualmente com o caso Maddie, em que os Ingleses tentam passar mais um atestado de incompetência à nossa Policia Judiciaria.
O que os Ingleses têm, que nós não temos? Estruturas politico- administrativas eficientes, porque, fora disso a superioridade dos Ingleses face aos Portugueses é questionável e debativel em termos culturais e civilizacionais.
Acho que devíamos repensar a quem devemos aliar. Alianças com a Espanha, ou com o Brasil poderiam ser mais proveitoso e vantajoso.

7 comentários:

Real disse...

E o que é que isto tem a ver com o Centenário da República?

Cartas de Londres disse...

Sugiro que leia um pouco mais sobre o que reza a História a respeito da 'mais antiga aliança do mundo' (e ainda em vigor)...

Member of the ECttee.
Anglo-Portuguese Society, London/UK

Daniel Nunes Mateus disse...

Directamente não tem muito a ver. Mas indirectamente acaba por ser um assunto problemático, derivado, também a questão do ultimatum. A diversificação dos pontos de discussão, pode dar uma riqueza conceptual a esta plataforma, que, sem fugir do objectivo primordial, pode tornar mais rica e interessante a discussão. E o leitor anónimo, encontra outro tipo de conteudos, que mostra que existe a diversificação de ideias e assuntos.

Daniel Nunes Mateus disse...

Sem duvida que o texto que produzi, exprime um ponto de vista pessoal do pouco que li, e das impressões recolhidas. O assunto em si, merece ser discutido.

José Lopes da Silva disse...

Eu creio que falar hoje da aliança luso-britânica como se ainda existisse não faz qualquer sentido, pois qualquer que fosse o sentido desse formalismo desapareceu com a formação da NATO.

Anónimo disse...

Eu não necessariamente acreditam em alianças.

Acredito firmemente na soberania e respeito.


Este é um bom tema e é mais longo devido.

Outro país que Portugal deve sempre lembrar que não Português e Portugal é o Brasil.

Basta olhar para história do republicanismo em Portugal e você encontrará,Que o Brasil sempre teve a sua mão envolvidos

o início do modelo da bandeira republicana em Portugal foi muito semelhante ao Brasil.Isso não foi acidente.


característica da Espanha é Ibérica e hoje muitos portugueses se esqueceram de que Portugal é um dos povos de cultura e herenca da Península Ibérica.

Uma das nações soberanas da Península Ibérica,Isto é algo que nunca deve ser esquecido.

Pedro Porto disse...

Ao anónimo:

"o início do modelo da bandeira republicana em Portugal foi muito semelhante ao Brasil.Isso não foi acidente."

Não foi. Nem na ideia original nem na concretização.