terça-feira, 13 de julho de 2010

Laureados pela FIFA na África do Sul


Admite-se que tenha vindo da Gorongosa até à Africa do Sul, baloiçando de cipó em cipó. Mas não é o Tarzan. Nem sequer o sempre credível Super-Homem. Não, este é o Dino Supremo. Um português como nós.
Acompanhou o Campeonato do Mundo, torcendo pela Selecção dos navegantes. Não naufragou, todavia, como ela. E chamou a atenção de todos, da própria FIFA, que o elegeu o melhor adepto do Campeonato. Viu a sua fotografia exibida no ecrã gigante do Estádio Soccer City, foi vibrantemente aplaudido e regressou num Hyundai a estrear. Tal o prémio que lhe foi destinado.
Olhando para Dino Supremo, vemos que está lá tudo: as alvíssimas ceroulas de gola alta, o garrido da bandeira republicana, nas caneleiras, no peito, na capa que o ajudaria a voar de bancada para bancada. Um misto de catatua e arara. Com o especial atractivo da bigodaça aparatosa, tipica dos anos aúreos do PREC abrilesco.
Está aqui, está, como tantos dos nossos, registado no Guiness.
É que a República ainda não nos tirou tudo. Ainda nos deixou a graça e a capacidade de improviso. O que nos resta para voltar destes grandes eventos mundiais de alguma forma medalhados.

4 comentários:

Anónimo disse...

Se o Dino se pinta de azul e branco não ganhava nem uma bicicleta. Estas cores é que lhe ficam bem.

M. Figueira

bicho disse...

Se o Dino metesse pêra a acompanhar o bigode, ganhava o troféu à traulitada !!!!

João Afonso Machado disse...

À traulitada?
Pois claro, os traulitantes eram os apaniguados da pêra afonsista... À perada, caro amigo.
O Dino, fora disso, só pode ser boa «praça».

Filipa V. Jardim disse...

João Afonso,

Uma inspiração este Dino. Não percebo como é que com um "fenómeno" destes ainda deram destaque a um polvo...é de longe um dos "ganhadores" deste mundial da barulheira.