quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Mais uma pequena pista para a investigação do Tiago Moreira Ramalho

Se o Tiago afirma que até 1910 Portugal perdera o comboio da Europa, por exemplo a HISTÓRIA ECONÓMICA DE PORTUGAL, (Organização de Pedro Lains e Álvaro Ferreira da Silva, Volume III. Lisboa, Instituto de Ciências Sociais, 2005) diz outra coisa bem diferente:

Aceitando que as periodizações são cezuras algo convencionais, não custa admitir que o “século XX português” terá tido o seu começo em 1890. Se toda a primeira metade do século XIX fora de sobressaltos políticos e mesmo de crise económica – o produto por habitante não acusa crescimento, mas estagnação -, na segunda metade de Oitocentos o voluntarismo político modernizador dos principais partidos do constitucionalismo monárquico resultou no fomento material e em taxas de crescimento da riqueza nacional acima das do crescimento da população. Regeneradores e progressistas convergem no propósito de unificarem o mercado nacional e de fomentarem a abertura económica ao exterior. Alternando no poder, uns e outros contribuem para que Portugal integre o grupo de países a que podemos aplicar, até ao começo da primeira Grande Guerra, o conceito de “crescimento económico moderno”.

Parece-me é que temos que ter cuidado com as fontes, para não vivermos intoxicados pela propaganda...

Ilustração: Stuart Carvalhais 1923

Agradeço ao Carlos Bobone a preciosa ajuda

4 comentários:

Tiago Moreira Ramalho disse...

Caro João,

Era só para dizer que sou Ramalho e não Carvalho. E quanto à investigação, agradeço a dica, vou tratar de procurar essas informações e como já disse, caso esteja errado, vou afirmá-lo sem problema nenhum.

Cumprimentos,

TMR

João Távora disse...

Caro Tiago, peço imensa desculpa pela confusão!

Rui Monteiro disse...

estamos à espera :)

Ricardo Gomes da Silva disse...

ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ....Z.

já está?...ainda não?


ZZZZZZZZZZZZZ....LOL


bem haja