quarta-feira, 24 de setembro de 2008

A irrelevância de um Presidente

“Crise vai atingir portugueses”

VAI????... não será mais... já atingiu... há alguns meses!


Photobucket


O Correio da Manhã, aqui fala dos comentários do PR português acerca da crise financeira, que já dura desde o verão de 2007.
E este ano o Estado de Nova Iorque foi (onde está Wall Street) o 1ºEstado dos EUA a declarar oficialmente recessão aqui,no final de Julho

«O Presidente da República considerou ontem que os portugueses ainda vão sentir os efeitos da crise internacional e responsabilizou "reguladores, supervisores e bancos centrais" pela actual situação dos mercados financeiros, afirmou Cavaco Silva, que hoje discursa na Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque.

Pela primeira vez o Chefe de Estado português comentou a crise financeira internacional e alertou para o facto de esta afligir principalmente aqueles que "têm menos acesso ao crédito" e que "pagam taxas de juros mais altas". E advertiu: "Tudo isso vai, quase de certeza, atingir os portugueses."»

"A Wall Street é o epicentro do ciclone financeiro", afirmou o chefe de Estado português, AQUI,acrescentando que tem a sua ideia sobre aquilo que falhou: "Os reguladores, os supervisores, bancos centrais, a invenção que se fez de produtos financeiros"...e também dos politicos distraidos

Não fosse a situação grave e pensaria-mos tratar-se de um piada de mau gosto.Que o PR tem vindo a dar sinais crescentes de estar mal assessorado, é um facto. Que o PR tem assumido de forma crescente uma posição de contraponto ao executivo (como se de um Governo sombra, se tratasse ) é, igualmente, uma triste verdade... agora, um tal afastamento da realidade nacional, chega a ser ofensivo.
Com o Plano de Investimentos do Governo parado, por falta de financiamento; com o crescente nº de casas que vão a leilão, por falta de cumprimento das hipotecas; com o nº de empresas a fechar; com o aumento constante das taxas de juro desde há um ano... convém perguntar em que país esteve Cavaco Silva, ou se a ONU está, sequer, interessada em ouvir demências de um mau Chefe de Estado, que nem o próprio País , que representa, conhece.

Já o PUBLICO também aqui dá destaque a um ângulo diferente do périplo presidencial «Cavaco angaria apoios para candidatura de Portugal ao Conselho de Segurança da ONU».

Relevando o facto de o PR andar a fazer o turno do Ministro dos negócios estrangeiros
e a gastar o érario publico para criar uma ideia sobre o que se passou nos mercados financeiros, «Tenho a minha ideia sobre aquilo que falhou», afirmou o PR.
Bastaria ao Presidente prestar um pouco mais de atenção ao País real e menos aos conflitos politicos e aos aviões que passam no céu do Algarve para perceber que aquilo que diz está desactualizado.

Consequência natural dos regimes que julgam poder criar Chefes de Estado de um dia para o outro, o exemplo português é apenas uma gota de água no imenso mar de Chefes de Estado republicanos, eleitos por campanhas de marketing que em nada asseguram a competência necessária para um cargo politico com tal relevância. desde Bush (filho ou pai)que provocou a estagnação económica e uma quase recessão nos EUA, passando por Sarkozy que quase afunda a UE devido á natural incompetência para tudo o que está além do umbigo até ao Anibál Cavaco Silva, que de tanto olhar para os aviões do Algarve nem vê o povo português a empobrecer a cada dia que passa.

1 comentário:

space_aye disse...

Não liguem a esse senhor.
Ele só diz disparates! Falo de Cavaco Silva, obviamente.
Não estavam a pensar que eu...não, esqueçam.