segunda-feira, 5 de abril de 2010

A verdade



Entre intrigas e lutas pelo poder, uma parte substancial da esquerda portuguesa, tem desde sempre apresentado o modelo nórdico como um modelo. Habilmente, há quem pretenda escamotear o ordenamento constitucional daqueles países, onde a Coroa surge como um elemento essencial da separação de poderes, independência, unidade do Estado e economia de recursos. Neste ano do Centenário da República, torna-se importante esclarecer a nossa opinião pública, acerca da solidez da instituição monárquica nos socialmente mais desenvolvidos países europeus. Sem população iletrada, com as mais altas taxas de educação universitária, baixos níveis de corrupção, com uma Justiça independente e que funciona, eis a opinião de noruegueses, suecos e dinamarqueses quanto às suas monarquias:

67% dos noruegueses são favoráveis à monarquia, embora os remanescentes 33% não correspondam totalmente aos partidários de uma república.

77,8% dos dinamarqueses são favoráveis à monarquia, enquanto 15,3% apoiam a instauração de uma república.

63% dos suecos são favoráveis à monarquia, enquanto 17% prefeririam uma república.

9 comentários:

Francisco RB disse...

Caro nuno e os outros, há aí qualquer problema com as contas, não batem certo...
Já agora na Finlândia é preciso não esuqecer que não há uma monarquia, porque o Grão-duque era o Ksar de todas as Rússias (que garantia grande autonomia e auto-governo ao parlamento regional) assassinado pelo sovietes.
Mannanheim não quiz por em causa a vitória branca sobre os vermelhos, com a restauração de uma monarquia Romanov, ou da casa de Hesse como em 1918, a República não foi o regime preferido pelos finalandeses, mas o que garantia a independência face aos inimigos mais fortes.

Talvez... disse...

Sempre me perguntei por que seria a diferença da Finlândia. Obrigado pelo esclarecimento.

Ega disse...

Há um aspecto no post do Nuno Castelo Branco que não pode ficar esquecido: é que nos países monárquicos é sempre possivel saber quem está a favor e contra a Monarquia. Isto é, há uma consulta permanente à vontade popular, nada a esconder.
Porque será que a república portuguesa tem medo de se sujeitar a referendo?

Nuno Castelo-Branco disse...

Ega, o caso é ainda mais nítido. Os parlamentos daqueles países, rotineiramente procedem a votações acerca da Monarquia que ultrapassa sempre os 80% de votos favoráveis. Parece-lhe que aqui seria possível? Quando do triste episódio do 1º de Fevereiro de 2008, S. Bento partiu-se ao meio como uma noz e todos sabemos que vários deputados PS votaram contrariados.

Francisco, que contas não batem certo?

Quanto à Finlândia, esteve para ser uma monarquia em 1918 e o monarca escolhido era cunhado do kaiser Guilherme II. A derrota na I GM, levou o Parlamento finlandês a reconsiderar, quando tudo estava preparado para receber o monarca. Os Aliados provavelmente teriam pressionado nesse sentido.

Nuno Castelo-Branco disse...

Mais informações sobre a questão finlandesa:
http://en.wikipedia.org/wiki/Prince_Frederick_Charles_of_Hesse

Francisco RB disse...

O que quiz dizer é que a Finlândia monarquica não sobreviria aos inimigos, o rei legítimo assassinado pelos sovietes, o outro era um fantoche alemão...

Nuno Castelo-Branco disse...

É uma história complicada que decorre do sistema de alianças. Quanto ao fantoche alemão, o que poderemos dizer dos Bernadotte e da actual dinastia norueguesa, importada de Copenhaga? O mesmo se aplica à Bulgária, Grécia e Roménia e recuando ao séc. XVIII temos vários casos similares na Lorena, no Sacro-Império ( o candidato bávaro), Boémia, etc. Residindo no país de adopção e decorrida uma geração, os monarcas "nacionalizam-se" rapidamente.
Parece-me que o que na Finlândia estava em causa, era a conjuntura internacional do momento. Tivesse o rei chegado logo após Brest-Litovsk e talvez conseguisse manter-se. Os Aliados não olhavam com boa vontade o regime de Lenin e de qualquer forma, os Hesse eram parentes dos reis ingleses e do próprio czar assassinado.
Mas a história foi assim e podemos apenas ficar-nos pelos "ses".

Jerónimo Eleutério disse...

Caro Nuno
Peço desculpa por ser o elemento discordante, mas creio que a já gasta comparação com os países nórdicos não colhe, por variadíssimas e diferentes razões. Creio que todos nos congratulamos com o bem estar dos países nórdicos e gostaríamos de o alcançar. Mas se vamos fazer comparações com países ricos junte já agora ao lote a Suíça que é desde há mais 5 séculos é uma República. Mas também lhe digo já que seria injusta a comparação. A verdade (infelizmente para nós) é que a diferença não está na dicotomia monarquia/república, mas na classe de políticos incompetentes que temos (e que tivemos no passado). E ai vai-me desculpar, mas já temos 800 anos de monarquia+ 100 anos de república de experiência e a diferença provavelmente está apenas nos olhos de cada um. Não há Chefe de Estado que nos livre dessa "malta".
Cordialmente, JE.

Nuno Castelo-Branco disse...

Caro Jerónimo, compreendo bem a sua argumentação. Os monárquicos jamais disseram que a simples passagem da república para a monarquia, significaria a obtenção de um imediato Shangri-la. A questão é mais complexa e prende-se com a necessidade de alterarmos o caminho que há tanto tempo trilhámos. O país terá de entender que algo mudou. Simplificação do edifício constitucional - a independência de poderes que hoje desapareceu -, a reorganização territorial - o hiato entre o poder central e os municípios é enorme! -, a questão da educação que não é capaz de da formação cívica - a desnacionalização portuguesa é evidente -, etc. Muito trabalho há para fazer. O problema reside nos homens políticos, como bem disse. No entanto, existe muita gente capaz de tomar as medidas necessárias. A conjuntura política nacional e internacional não ajuda, é certo. O amanhã o dirá.