quinta-feira, 1 de abril de 2010

Valença do Minho




Aproveitando a inépcia do poder central lisboeta, eis uma vez mais, a subreptícia manipulação das autoridades das Autonomias espanholas, agora muito interessadas na completa desarticulação do Estado português. Não se sabe bem como, parece que alguns membros da Comissão de Utentes do SAP de Valença, andam a industriar os munícipes, no sentido de hastearem a bandeira espanhola nas suas casas. Se tiverem um pouco mais de paciência, ponderarão no assunto e poderão manifestar um sinal bem mais firme ao governo de Lisboa. Que façam apear a bandeira de todos os desastres e substituam-na pela Bandeira Nacional de Portugal, a azul e branca. Em Lisboa o efeito será devastador , especialmente se começarem por fazê-lo na Câmara Municipal de Valença.

A persistirem na patetice espanhola, o descrédito será total e sinónimo de fracasso da luta. Pensem melhor e ajam em conformidade! Azul e branco nos mastros e já!

4 comentários:

João Afonso Machado disse...

Evidentemente, não podemos alinhar em espanholadas- Mas Valença também não é o Gana, ou os Camarões, ou a Serra Leoa. Valença é tão-só a mais bonita praça-forte do Minho, com demasiados séculos de História para suportar coloridos de nau-gosto. Aquele granito mnão vai nada com o rubro-verde.

Anónimo disse...

A bandeira republicana é imprópria para a Semana Santa.

M. Figueira

Jerónimo Eleutério disse...

Sim, que hasteiem a bandeira azul e branca, mas a D. Afonso Henriques! Se é para marcar a diferença então que se lembre quem fez alguma coisa por aquela gente valorosa.

João Afonso Machado disse...

Caro Jerónimo:
Esse azul-branco já me enche a alma. Não precisaria de mais. A bandeira da Fundação!