quarta-feira, 26 de maio de 2010

Abolição desta república de côdeas!




Na Câmara dos Lordes, a Rainha leu o discurso de abertura do novo Parlamento, onde o 1º ministro anuncia o programa do seu governo. Os cortes na despesa são profundos e denotam a vontade de saneamento das contas públicas. Um sector atingido é o das mordomias dos políticos que vêem cortados inúmeros privilégios e despesas de ostentação até agora pagas pelo Estado. Limusinas (10 milhões de Libras "trabalhistas" por ano!) - que agora apenas poderão ser usadas em actividades oficiais -, chauffeurs, assessores, prendas e viagens, são alguns dos draconianos cortes que impedirão conhecidos e escandalosos abusos.
Em França, Sarkozy impôs novas regras com a perda de benefícios automobilísticos para numerosas entidades governamentais e do sector empresarial do Estado, suprimindo automóveis de luxo e motoristas, despesas de "representação" e obrigatoriedade do imediato corte de 10% na despesa corrente dos departamentos do Estado. Como nota curiosa, foi publicada uma lista de restaurantes baratos que poderão ser frequentados por ministros e outros titulares de órgãos de soberania. Prevê-se uma abrupta descida no despesismo ostentatório.
Em Espanha, além do corte de 15% dos salários-políticos, desaparecem organismos parasitários, como Fundações fantasma, gabinetes de estudo contratados a apêndices da partidocracia, etc. Enquanto isso, os políticos e autarcas apertam o cinto.

Em Portugal, novas medidas foram tomadas. O 1º ministro vê aumentados para mais treze o número de motoristas disponíveis, não houve o menor anúncio de corte das frotas automóveis à disposição de presidentes, ministros, secretários de Estado, subsecretários de Estado, assessores presidenciais, directores do sector empresarial do Estado, dos juízes de Supremos, PGR, ministérios, etc, etc. Enquanto isso, os jobs for the boys continuam em força, como se nada de extraordinário se passasse em Portugal. A Assembleia da República viu aumentada a sua dotação e comprou novas viaturas de luxo para a sua presidencial Mesa, enquanto o Palácio de Belém bate aos pontos e para mais do dobro, a dotação do seu congénere espanhol. De facto, enquanto aumenta a despesa com subvenções, a despesa de Belém passa para 21.000.000 de Euros por ano, vendo acrescida em quatro milhões, a soma até agora recebida. Além da côdea no activo, contabilizemos as três outras côdeas na "retraite". Note-se que nos finais de 2009, a Casa Real espanhola - 8.000.000 Euros/ano - enviou uma nota ao sr. Zapatero, indicando não querer receber qualquer aumento de verbas para a despesa da representação oficial do Estado. Alegremente, o presidente Cavaco, o 1º ministro, ministros e outras "altas individualidades", vão viajando nos Falcon e sempre que podem, organizam cortejos de limusinas em constante renovação. O OGE prevê 160.000 Euros de despesa de comunicações móveis do gabinete do 1º ministro. Não se vislumbra qualquer corte no subsidismo a Fundações privadas que se erguem com o dinheiro público, enquanto aumenta o clientelismo caciquista. Não se anunciaram medidas de corte na contratação de gabinetes de estudos paralelos a entidades oficiais, nem uma política mais rígida na contratação de assessores e outros quadros técnicos. A república auto-comemora-se este ano, sorvendo cabedais em jantares, conferências, publicações onanistas, visitas de estudo, selectas festas e obras de fachada em Praças e Museus que foram da Monarquia. O monstro está aí, mais gordo que nunca.

Entretanto, procederam a alguns cortes na despesa. Atacam quem menos possui e tem de recorrer ao Serviço Nacional de Saúde. Enquanto os sponsors da banca continuam com impostos abusivamente baixos, a imensa maioria canibalizada por políticas absurdas, paga o que já não pode.

Tudo na mesma. Não aprendem.

Portugal é um país pobre e em dificuldades. Não pode manter a república. Que seja abolida!

11 comentários:

Francisco RB disse...

Tem razão caro Nuno, a república deve ser abolida, nem que seja por razões e contenção de custos!
Na monarquia existe maior moralidade na realização de despesas, até porque os monarcas não se encontram reféns dos partidos, nem deles dependem.
Não é de estranhar que dos PIIGS apenas um seja monarquia, e na lista apenas consta por causa do actual governo, que, se pudesse restaurava a II República Espanhala.

Ega disse...

Presente!
E vão dois...

bicho disse...

Caro Nuno.

De acordo com praticamente o seu texto todo, não misture é república com a falta de senso e irresponsabilidade dos fracos políticos que temos.

Nesta luta temos todos de dar as mãos, contribuindo para a mais histórica derrota do PS nas próximas eleições para assim servir de aviso aos próximos que lá quiserem pôr os pés.

Você é o próprio a mencionar a França nessa sua lista, não é de um Rei que necessitamos, é sim de gente séria e desse há poucos, de cada vez menos !

Nuno Castelo-Branco disse...

Caro Bicho,

Onde é que vai buscar gente séria - como Abel Mateus, por exemplo -, se a população não conseguir ver distintamente que algo mudou? Julga que alguém escorreito vai arriscar a sua reputação com outros que nos conduziram a este momento trágico? Claro que não. Já reparou que no último século já vamos em três regimes republicanos e nem sequer os símbolos fizeram notar que as situações se tornaram diferentes? Ou acredita mesmo que os responsáveis deste imenso buraco - Cavaco Silva na primeira fila - têm qualquer tipo de credibilidade para mobilizar uma população estafada?

Para que as coisas mudem, os sinais devem começar por ser exteriores.

Carlos Velasco disse...

Caro Nuno,

Não sei se este é o momento ideal para pôr o debate "monarquia ou república" no primeiro lugar da lista, o povo ainda me parece muito intoxicado pela doutrinação, mas podemos chegar a isso com um debate mais urgente e que aí há de chegar, pois será preciso pensar em que tipo de nação queremos nos transformar.
Me refiro à sobrevivência de Portugal. É isso que está na mesa neste momento.
Hoje mesmo o ministro Augusto Santos Silva(Bilderberg-Vancouver) anunciou a decisão de cortar os efectivos das forças armadas portuguesas ao ritmo de 25% ao ano até 2013.
Estranho para um país que pode vir a ser a próxima Grécia, não? Talvez estejam a ser criadas as condições para uma intervenção futura de uma força europeia.
Ultimamente tenho escrito muitos posts sobre isso, mas penso que este servirá para dar uma ideia acerca do que penso se passar por aqui:

http://ogladio.blogspot.com/2010/05/portugal-esta-muito-proximo-de.html

Cumprimentos luso-tropicais.

Daniel Nunes Mateus disse...

A conversa do Portugal é um país pobre e em dificuldade já enjoa um bocado: Têm 100 anos.

Daniel Nunes Mateus disse...

Caro Francisco: Uma correção. Se Zapatero restaurasse a república seria a terceira. A primeira república espanhola foi desde 11 de Fevereiro de 1873 até 29 de Dezembro de 1874. A segunda república espanhola foi desde 14 de Abril de 1931, até 1 de Abril de 1939

Carlos Velasco disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carlos Velasco disse...

Caro Nuno,

Tenho uma informação fresca, revelada há pouco pelo filósofo Olavo de Carvalho no seu programa de rádio "true outspeak", acessível no blogtalkradio.com.
A jornalista Jane Burgemeister, uma das heroínas na revelação do engodo das vacinas contra a gripe, teve acesso a um vídeo que mostra que houve sobreviventes da queda do avião presidencial polaco e onde oficiais russos dão ordem para eliminar a todos.
Ainda não pude investigar mais o assunto, mas o Olavo não brinca pois é um homem sério.
Contudo, parece que o pior dos cenários se confirma.

Saudações.

Carlos Velasco disse...

http://www.youtube.com/watch?v=frgKTW3jm_Y

Nuno Castelo-Branco disse...

Vou ver, Carlos.